Por favor, não me deixes morrer

 

“Respire fundo … agora o sono vai chegar.” – soltei, enquanto segurava uma máscara assustadoramente claustrofóbica – mesmo sem compreender o quão aterrador pode ser pensar que alguém nos está prestes a ´apagar´. E ouvi “Dra, por favor, não me deixe morrer”. E cai-me o mundo aos pés. Ainda jovem, eu, e ela, sabendo, mutuamente, o drástico potencial da malignidade que a invadiu há uns meses; sabendo, mutuamente, que daria este mundo e o outro para não a deixar morrer. Mas fazemo-nos de indiferentes, como se não tivéssemos ouvido, como se ignorássemos aquele suplício de vida, apenas para apaziguar o que estamos verdadeiramente a sentir. “Até já minha querida, bons sonhos”. Criamos, inevitavelmente, barreiras aos nossos sentimentos. Manter o coração frio e distante, porque, muitas vezes, é o melhor para o nosso doente. O nosso elixir milagroso entra de rompante, atinge um equilíbrio naquele cérebro fixo pelo medo. Adormece. E eu sinto-me a despedaçar. Porque alguém que, num instinto natural, não quer morrer, apenas deseja que façamos o nosso melhor, o que soubermos, o que pudermos … mesmo sabendo que não temos a solução – mas sim um pequeno remendo que poderá dominar, ainda que momentaneamente, a situação. No final, com um soluçar suave, tranquilo, ouvi “Estou viva”.

Ninguém nos ensina a ser médicos, vos garanto. Ninguém nos ensina a lidar humana e dignamente com alguém que, num estado inquietante de fragilidade como a doença, recorre até nós, única e exclusivamente, qualquer que seja a situação, com um medo arrebatador incrustado, mas na expectativa de uma esperança infinita. É sempre assim. Por isso, há os que se estruturaram como doutores, ano após ano, livro atrás de livro … e há os médicos, no real sentido da palavra, que têm intrinsecamente, acredito eu, a real capacidade de assistir, ajudar ou só estar ali. Aprendemos, sem que ninguém nos ensine, a focar-nos mecanicamente no que tem que ser feito e a recalcar emoções. Porque o erro pode ser menor, a falha técnica pode ser minorada, mas a falha humana, essa, trepa-nos desalmadamente a consciência, na esperança que, também ela, se apague como com o elixir milagroso. Porque quando tudo acaba, ao fim do dia, ou da noite, nenhum de nós será capaz de voltar indiferente a uma vida separada lá fora. Podemos tentar fazermo-nos de indiferentes. O aperto, esse, vai connosco.

 

Nota sobre a autora

Chamo-me Marta Campos, tenho 28 anos e sou médica de coração. Enveredei pela anestesiologia e encontrei o meu mundo.
Adoro comunicar. Adoro escrever aquilo que, muitas vezes, não nos permitem dizer, ou sentir. Desde sempre.
Martagcampos2@gmail.com
https://www.facebook.com/marta.campos.315
https://www.instagram.com/martagcampos/

Partilhe nas Redes Sociais
FacebookTwitterPinterest

1 comentário em “Por favor, não me deixes morrer

  1. Martinha o teu texto deixa-nos com a respiração ofegante e com os batimentos cardiacos mais acelarados
    Parabéns e quem dera que pudessem salvar o mundo inteiro
    Obrigado

Deixe uma resposta

* Campos obrigatórios