O Diogo

Nasceu no Algarve onde viveu até ser adolescente. Tem um irmão gémeo que é uma das pessoas que mais adora nesta vida e pais e avós que lhe deram apoio e amor sempre – e que privilégio é ter vivido uma infância feliz!

O Diogo entra numa sala e abraça as pessoas que lá estão. Sente-se que carrega esse amor com ele e que o vai distribuindo como sabe e pode. A música é mais uma forma de comunicar, de devolver vivências, de partilhar.

Há sempre nele uma certa nostalgia – eu chamei-lhe tristeza, mas ele corrigiu-me para melancolia – de quem sente tudo com muita intensidade (essa hipersensibilidade lê-se nos olhos e não a confundam com fragilidade… é força mesmo).

Foi essa força que o fez sempre ultrapassar os piores e mais absurdos momentos – como a acusação de plágio no Festival da Canção – foi essa força que o fez lutar desde teenager pela música em que acredita, recusando fazer concessões.

Também há uma timidez avassaladora que já o fez perder algumas coisas na vida. E ele explica, analisa.

Está muito apaixonado pela Mel, o Diogo. Também essa força – a do amor – ganha forma própria nesta conversa.

Senhoras e Senhores, Diogo Piçarra:

Partilhe nas Redes Sociais
FacebookTwitterPinterest

2 comentários em “O Diogo

  1. Lindo, so pode? simples, humilde, genuíno, dono de uma voz que toca no ❤️ e é lindo, parecido com o meu ( Paulo) ??gostava que viesse cantar a Amarante ? gosto muito da Rita. ???

Deixe uma resposta

* Campos obrigatórios